“A escola é, por excelência, a cidade toda”

25/09/2018 | Conviva Educação

“A escola é, por excelência, a cidade toda”. “Ocupar os espaços da periferia induz mudanças de olhares e muitas vezes é uma ponte para se conhecer outros espaços da cidade”. “Não se trata apenas de metas de aprendizagem, mas de se construir formas de conhecimento e de uma relação educativa ao longo da vida”. “A educação deve alimentar a curiosidade e a coragem de ser livre para tomar decisões”.

Essas foram algumas das frases ditas durante o 4º Seminário Internacional de Educação Integral (Siei), que ocorreu dias 28 e 29 de agosto em São Paulo (SP). O evento é uma iniciativa da Fundação SM, correalizada pelo Sesc, Instituto C&A, Fundação Roberto Marinho e Canal Futura. No local, também foram lançadas as versões brasileiras dos sites Observatório da Juventude na Ibero-América e do EDUforics.

A seguir, você encontra trechos das falas em texto, áudio e vídeo dos três palestrantes da mesa “Diferentes territórios, diferentes olhares e demandas”: Bel Santos Mayer, Paulo Mendes da Rocha e Beatriz Goulart.

   

 

Bel Santos Mayer, educadora e gestora da Rede LiteraSampa

A palestrante apresentou três histórias sobre formas de ocupar os espaços em São Paulo. Quando Bel era jovem, gostava muito de estudar, mas os restritos espaços de casa não eram suficientes para que se dedicasse. “Consegui que a sacristia da Igreja católica do bairro fosse aberta para que eu pudesse ler em tranquilidade. Era um lugar de silêncio, enquanto que na minha casa não havia a quietude necessária. Quando passei a atuar no bairro de Cidade Tiradentes, quando conheci jovens que pulavam o muro da escola aos fins de semana para ler. Vendo esse desejo pelos livros, procuramos apoio para construção de uma biblioteca, e conseguimos fazer um contrato de comodato com a COHAB, a Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo: há 17 anos a Biblioteca, chamada Solano Trindade, funciona!”, conta.

Então Bel parte para a sua terceira história: “Eu e um grupo de amigas pensamos em levar nossos conhecimentos para Parelheiros, considerada a pior subprefeitura de São Paulo de acordo com os índices de desenvolvimento humano municipal. Apresentamos as estatísticas sobre aquele bairro para as lideranças locais, que ficaram revoltadas pelo olhar negativo que era feito de lá. Afinal, há reservas de Mata Atlântica, grupos indígenas e reservatório de água, eles disseram. Em conjunto, pensamos na importância de valorizar as boas iniciativas – para isso, acreditamos que os jovens deveriam ser envolvidos. 

 

 

Ouça a reflexão final da educadora nos 4 minutos do áudio abaixo, clicando na seta vermelha:

 

Paulo Mendes da Rocha, arquiteto e urbanista, professor emérito da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP)

“O espaço é feito por nós, e não pelas paredes ou degraus de uma construção. O objeto da arquitetura é amparar a imprevisibilidade da vida. Na cidade de São Paulo, assim como em outras partes do mundo, é comum a atitude de ocupar os espaços de novas maneiras. Muitas construções não nasceram museus ou prédios públicos, como é o caso do Museu parisiense do Louvre ou da sede da prefeitura de São Paulo, mas foram se transformando. É usual o costume da ocupação. E a ocupação passou a ser ato político muito inteligente e corajoso das populações desamparadas, que moram naquilo que foi abandonado pelo outro.

Não se esqueçam dessa ideia: o aluno curioso que é aflito pelo conhecimento e que pula o muro da escola para entrar nela, não deve ser mal visto, como pensa o burguês vulgar. Temos que aprender a pular para entrar”, disse o arquiteto.

 

 

Beatriz Goulart, Fundadora do Centro de Pesquisas e Projetos Cenários Pedagógicos, participou da concepção e implantação dos Centros de Educação Unificados (CEU), em São Paulo

“O que parece é que a escola nos ensina a acostumar com o que está posto e que imprevisível é uma coisa muito perigosa. Tenho pesquisado a vida fora da escola e buscado, na cidade, pistas e inspirações para melhorá-la por dentro e colaborar para a compreensão do mundo e das pessoas.

 A cidade nos diz muito a cada esquina. Mas como a escola está compreendendo a lógica do que está ocorrendo do lado de fora? A ruptura entre dentro e fora da escola é importante?

 

 

 

Ouça a reflexão da profissional nos 3 minutos do áudio abaixo, clicando na seta vermelha:

“O que fica claro é que este padrão escolar de uma arquitetura não vai dar conta, nunca vai nos permitir outros modelos. Devemos abrir espaço para a educação ao longo da vida e em qualquer lugar. Qual vida cabe na escola? Qual vida nos mostraria a perder no medo? Até onde nos é dado direito de transformar a escola – ou isso deve ser feito apenas fora dela?”. E a arquiteta finaliza: “O direito de olhar, de possuir a paisagem, está impedido nas nossas escolas: só olhamos para onde nos permitem, e o horizonte está muito curto.”

 

Acompanhe a fala dos três participantes na íntegra no vídeo abaixo, no trecho entre os 32:00 e 1:31:00:

Notícias Relacionadas